sexta-feira, 20 de junho de 2014

PLANETA DA MORTE [PRIMEIRO CAPÍTULO]


O choro de um recém-nascido perturbou a madrugada tranquila de um pequeno lugarejo do planeta X, situado na galáxia de Orion. Os pais, juntamente com a parteira se exultavam de alegria com a chegada do novo rebento. A cachorrinha Sila tivera os seus na mesma madrugada, oito filhotes. Na manhã seguinte, as visitas se fizeram de prontidão para ver o novo habitante do lugar. As mulheres prenhas esfregavam suas barrigas, ansiosas pelo seu dia. Acontece que este dia não chegou para nenhuma delas, porque seus filhos e filhas nasceram mortos. A notícia correu de povoado em povoado, chegando até à capital e segundo a estatística não houve notícia do nascimento de uma criança viva em nenhum lugar, depois do nascimento deste menino, ocorrido naquela madrugada, de um pequeno vilarejo.
O quê está acontecendo, Perguntou uma autoridade política a um religioso. São os desejos de Deus, respondeu. Mas onde ele quer chegar com isso, Não sei, talvez seja uma maneira de acabar com o mundo lentamente, Mas é cruel por demais, Deus sabe o que faz.
A coisa estava feia realmente, depois disso, nenhuma mulher conseguia se engravidar, muitas caíram numa desenfreada e degradante prostituição e nem assim, conseguiram filhos, a situação era desesperadora.
A ùnica criança que nascera naquela madrugada, ficou famosa e já contava com oito anos de idade, e, até então, parecia que uma nova e terrível era se descortinava. Em algumas escolas já se ensinavam um novo calendário, onde se registrava ante e depois de Crisus. Crisus, era o nome desta criança, que nascera naquela madrugada misteriosa. É bom lembrar que até os animais passavam pelo mesmo problema.


anibal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A VIDA NÃO É O QUE PENSAMOS  OU DEIXAMOS DE PENSAR.