SEMINÁRIO N. S. APARECIDA

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

A EXISTÊNCIA PRECEDE A ESSÊNCIA



Só encontramos o ser através da existência deste, é o óbvio, como podemos encontrar algo que não existe, se não existe é porque não temos provas racionais que nos façam acreditar e tudo que existe precede sua essência, a bem da verdade, a essência só surge depois da existência do ser, segundo Sartre, a realidade humana é para si, a presença do outro é a nossa consciência, que por sinal, esta presença não combina com a consciência, donde fazemos ideias errôneas do próximo, todavia, isso é simplesmente humano, é a prova contundente da não existência de deus, daí a razão das barbaridades que acontecem no mundo porque o homem é totalmente livre para fazer o que quer, dependendo da situação em que se encontra, se deus existisse jamais permitiria uma ação ruim como, por exemplo, torturas que levam à morte ou coisas parecidas.
Pelo fato da existência preceder a essência, chegamos à conclusão de que a natureza humana não existe, melhor explicando, existe apenas depois do ser.
O homem vive, podemos dizer, num mato sem cachorro, porque sua felicidade depende da sua escolha, ainda citando Sartre, o homem está condenado a ser livre, não existe nada traçado pra ele, tudo aquilo que acontece foi por escolha dele. Na obra, O SER E O NADA, Sartre deixa bem claro que em meio a essa situação, existe a má-fé, melhor explicando, a autoilusão, ou seja, o homem age de maneira nãoética, achando que é o correto e assim, se dá mal, isso é simplesmente humano, embora alguns existencialistas se prontificaram contra, como, Kierkegaard, considerado o primeiro existencialista, o qual, se considerava um pensador religioso.
Pois bem, voltando à obra, O SER E O NADA, o autor a traduz com a nãopreocupação de como devemos viver (Ética) e sim, a maneira como se vive.

Aníbal Werneck de Freitas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

- A FILOSOFIA É A MINHA RELIGIÃO. - NENHUMA RELIGIÃO É MELHOR QUE A OUTRA, PORQUE A VERDADE É UMA SÓ. - A VERDADE ESTÁ ENTRE O CRENTE E O ...